Sintra e seus castelos: parte 1

Estávamos planejando nosso terceiro dia de passeio quando nos demos conta de que faltariam atrações em Lisboa para preencher nossa agenda. Ao mesmo tempo, lemos o quanto era fácil chegar até à cidade de Sintra e ao pesquisar mais sobre a cidadezinha decidimos mudar todo o roteiro e irmos pra lá. Pegamos as coordenadas e pronto, estava certo que iríamos para Sintra no sábado. Uma das principais “culpadas” por essa decisão foi minha guru de viagens, Dri Miller. Ao ler seu post sobre Sintra, não pude imaginar estar tão próximo daquele lugar e não visitá-lo.

Para ir de Lisboa até Sintra é muito fácil. Os trens partem da Estação Rossio de 30 em 30 minutos e a passagem de ida e volta custa menos que 5 euros. O trajeto dura 40 minutos. E é muito simples pois a estação final é lá, portanto nem medo de perder a estação certa existe. Conseguimos pegar o trem das 09:08h e antes das 10:00h estávamos na estação de Sintra.

DSC01182

Sintra é famosa por seus castelos e escolher quais farão parte de seu roteiro é o primeiro passo. Para se locomover por lá, a opção mais barata é pegar os ônibus que fazem os trajetos dos castelos. Dependendo de quais irá visitar será o 434 ou o 435.

Não tem erro! É só sair da estação, olhar a placa que indica “Terminal Bus” e alguns passos a frente estará o ponto.

DSC06519 DSC06520

O bilhete ida e volta custa 5 euros. No trajeto de ida, você pode parar e entrar de novo no ônibus com o mesmo bilhete. Já na volta isso não é possível (mas também não é nenhum problema).

Caso prefira, também é possível alugar um carrinho de 2 pessoas e fazer tudo do seu jeito.

DSC06803 DSC06804

Como os castelos que tínhamos escolhido eram Mouros, Pena e Quinta da Regaleira, pegamos o ônibus 434.

Nossa primeira descida foi no centro histórico, que tem como principal atração o Palácio Nacional. Ficamos por ali cerca de 30 minutos, explorando as redondezas e encantados com a beleza da cidadezinha.

DSC06535 DSC06537 DSC06539DSC06545 DSC06561

Pegamos o ônibus novamente e fomos para o Castelo dos Mouros, que tem como principal atrativo a vista lá de cima, mas como estava nublado e com muita neblina, sabíamos que não teríamos a cereja do bolo do passeio. Ao comprarmos o ingresso, a moça ressaltou que este castelo é formado apenas por muralhas e ruínas e que o trajeto requer bom preparo físico. Ok! Lá fomos nós…

DSC06569 DSC06622

Se lá embaixo, na cidade, estava frio, lá em cima estava mais ainda. Com sua localização à 400 m de altitude, o Castelo dos Mouros apresentava fortes ventos.

Muito interessante observar as escadas e as muralhas e imaginar quanta história passou por ali. Não ficamos muito tempo por lá, visto que o vento chegava a nos empurrar de tão forte. Além disso, a neblina não nos permitia enxergar muito à nossa frente.

DSC06592 DSC06601 DSC06616

Mesmo sem a vista, o passeio valeu a pena, apesar do vento gelado e forte que enfrentamos por lá. Para esquentar um pouco, paramos na bilheteria de novo para tomarmos um café.

DSC00768

Logo na saída dos Mouros, vimos uma plaquinha que indicava o Castelo de Pena a 5 minutos de caminhada dali. Para não esperarmos o ônibus, fomos andando mesmo.

Enquanto nos Mouros só existem muralhas, o Pena tem seu interior aberto à visitação. Você pode ir caminhando até o castelo (subida e vários degraus) – nossa opção, ou pagar 2 euros e pegar o bondinho.

DSC00771

A neblina atrapalhou a qualidade das fotos e não vou conseguir mostrar quanto é lindo o castelo Pena (apesar de não estar num bom estado de conservação).

DSC00774 DSC00777 DSC06641 DSC06653

Lá dentro não é permitido tirar fotos, mas é tudo restaurado e bem arrumado. Não foi o primeiro castelo que visitei, nem o mais bonito, mas gostei do que vi.

O Pena também fica no topo da montanha e deve ter uma vista lindíssima, mas dessa vez ficamos apenas com o vento forte 😦

Pegamos o ônibus de volta e paramos no centro histórico para almoçar. Minha mãe estava desde o início da viagem pedindo para comer bacalhau e aproveitamos então para pararmos no restaurante Bristol. Eu não como nada de peixe e optei por um prato de frango. O atendimento do restaurante é ótimo e a comida também.

DSC06702 DSC06705

Com energias recarregadas, seguimos caminhando até o Quinta da Regaleira, que será o assunto do próximo post.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Europa, Portugal, Sintra

5 Respostas para “Sintra e seus castelos: parte 1

  1. Sara

    É pena que não tenham vindo a Portugal no Verão, iam ficar com uma imagem muito diferente, é um pais com muito sol e com calor. Não tiveram muita sorte. Se voltarem um dia a Portugal procurem na net, coisas escritas por Portugueses ficam a conhecer os sitios que para nós são mais bonitos. P.S. A Pena é um palácio e não um castelo. E quando dizemos que descobrimos “O Mundo” é exagero, mas tem muito de verdade, descobrimos o Brasil, descobrimos o caminho marítimo para a Índia, fizemos um tratado com Espanha e dividimos o mundo em 2, metade ficou para Espanha e metade para nós, etc etc. É pena que por esse mundo fora não se conheça a nossa história e que falem de nós como um país diferente do resto da Europa ( se calhar porque somos um pais mesmo muito antigo) 🙂

  2. Daniela

    Olá Thaís,

    Amei seus comentários e fotos sobre Sintra. Estou com viagem marcada para Lisboa no meio de outubro/2013. Percebi que em sua viagem você pegou muita neblina nos passeios. Qual foi a época de sua viagem?

    Grata,
    Daniela

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s