La Vanille: conhecendo as tartarugas gigantes das Ilhas Maurício

Quando comecei a pesquisar sobre atrações para crianças nas Ilhas Maurício, a primeira foto que vi foi de uma tartaruga gigante e desde então já queria incluir o parque La Vanille em nosso roteiro. E é claro que também já comecei a fazer propaganda para a Camila e quando chegou o dia de irmos até lá a expectativa estava lá em cima. Levamos uma hora para atravessar a ilha e chegar ao parque, pagamos os ingressos e mal podíamos esperar para irmos direto ao recinto das tartarugas.

Com o mapa em mãos, chegamos à “casa” das tartarugas e nos surpreendemos com o tamanho e quantidade dos bichinhos que vivem bem à vontade no espaço. Em um primeiro momento, a Camila ficou com um pouco de receio de passar a mão e interagir com elas, mas logo se soltou. Loedi parecia criança querendo alimentá-las e eu encantada por estar vivendo essa incrível experiência. Passamos um bom tempo por lá observando a vida das tartarugas gigantes no La Vanille.

O parque faz um intenso trabalho de preservação e procriação da espécie e há tours guiados que explicam todas as ações. Apesar de não termos feito, um senhor nos apresentou o berçário das tartarugas onde elas ficam divididas por idade. Para vocês terem uma ideia, elas nascem pequenininhas mas podem chegar à mais de 200 kg! Outra coisa que surpreende é o cuidado com que elas são tratadas pelos atenciosos funcionários do parque.

Se o parque só tivesse as tartarugas, já teria valido a visita! Foi muito legal e mágico para todos nós. Na saída do recinto há um pequeno acervo de espécies típicas das Ilhas Maurício empalhadas, com destaque para a ave já extinta e símbolo absoluto do país – o Dodô – que você verá estampado por todos os lados na ilha. Inclusive trouxemos um de pelúcia como recordação para a Camilinha.

Após termos cumprido a missão principal, fomos conhecer as demais áreas do parque.Logo de cara encontramos com um veadinho bem bonzinho comendo maçã e interagindo com os visitantes. Vimos também macacos, lêmures,furões, morcegos, muitas iguanas e pássaros que voam livremente em meio às arvores. Não achei tão legal o espaço em que ficam os demais bichos, pois achei as jaulas bem apertadas.

Há também uma exposição de insetos e borboletas (num lugar com um cheiro horrível) e também um aquário bem fraquinho, com alguns peixes e tartarugas em tanques minúsculos. Eu só dei uma passada rápida e fiquei aguardando o Loedi  (lendo todas as plaquinhas, rs) do lado de fora.

Em alguns dias da semana, há horários programados para que o público possa assistir a alimentação dos crocodilos e nós demos sorte de acertar a data. Sentamos na arquibancada e pudemos acompanhar esse momento. Foi bem interessante e a Camila fala desse “show” até hoje. Os cuidadores amarram frangos em uma corda e lançam no lago onde os enormes animais pulam em busca da comida. É bem rápido e simples, mas valeu a pena termos parado para ver uma vez que já tínhamos percorrido todo o parque.

Como já era hora do almoço resolvemos comer no restaurante do parque que, além de snacks, também vende alguns pratos com carne de crocodilo. Loedi foi corajoso e encarou um “crocodile burger” , enquanto eu me contentei com um sanduíche de queijo e presunto mesmo, haha. Foi caro, mas bem bacana termos feito a refeição no Le Crocodile.

Na saída, há um playground para os pequenos e também uma mini-fazendinha com pavões, porcos, cabras, galos, dentre outros. A Camila gostou tanto do parquinho que nem deu muita bola para os animais.

Em resumo, recomendo a visita ao La Vanille principalmente por causa das tartarugas gigantes que vivem livres, soltas e aparentemente felizes no parque. Foi incrível a experiência de podermos interagir com elas de tão pertinho! Para voltarmos para Flic en Flac escolhemos um outro caminho que ia beirando as praias e a viagem tornou-se bem mais agradável. Aproveitamos para parar em um ponto turístico desse lado da ilha, conhecido como “A Pedra que chora”, que é uma formação rochosa que ao ser invadida pelas fortes ondas do mar aberto parece estar derramando lágrimas.

E assim terminamos mais um dia de passeio nas Ilhas Maurício,  criando mais lindas memórias em família e conhecendo um pouco mais sobre esse diferente país africano.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em África, Ilhas Maurício

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s