Arquivo da categoria: Maranhão

Lençóis Maranhenses

Chegamos por volta de meia-noite em São Luís, depois de um vôo super tranqüilo – pelo menos pra gente que já viaja de avião como fosse ônibus. Para a Samara, minha cunhada, acho que não foi tão calmo assim pois ela veio segurando a santinha na mão de Curitiba à São Luís, rsrs.

Pegamos nossas bagagens e lá estava o Júlio nos aguardando no saguão do aeroporto. Nos dividimos em 2 carros e fomos para o hotel.

Se tem uma coisa que viajantes econômicos precisam ter ciência é que, em relação a hotel, você tem geralmente aquilo que se paga. O que quero dizer com isso? É que não adianta você pagar 100 reais numa diária e esperar grandes coisas… Ou seja, o hotel era bem simples, porém bem limpinho 🙂

Todos cansados, fomos direto dormir, pois a aventura estava apenas começando. Nossa viagem aconteceu assim:

Sábado (30/10/2010) – acordamos bem cedo, tomamos o humilde café do hotel e enquanto o Loedi e o Anderson foram com o Júlio procurar carro para alugar, eu, mamis e Adri fomos dar uma volta na praia, que estava a uma quadra do hotel.

As praias não são o forte de São Luís. O mar é agitado, turvo e venta muito. O que nos assustou nesse passeio matinal foram os vários avisos sobre o perigo de assalto na orla… não vimos nada demais, but…. melhor prevenir.

Orla urbana de São Luís

Achamos que o mesmo tempo que levaríamos para dar um rolê na praia eles levariam para voltar com o carro… engano nosso.

Aqui está a resposta para o que escrevi no post anterior: não fomos bem sucedidos no aluguel do carro. Mesmo com a ajuda do especialista em São Luis – Júlio- perdemos a manhã toda esperando pelos bonitões :(. E além de tudo, ficamos preocupadas com a demora, cada um falando algo diferente e eu ficando cada vez mais irritada….Quando vi o Loedi, a primeira coisa que disse foi: devíamos ter vindo com isso fechado.. argh! Mas também, naquela altura do campeonato, nada restava a fazer a não ser recuperar o tempo perdido.

Nossa primeira parada foi em um mirante à beira do Rio Anil. Nesse lugar, o Júlio nos contou que aquele rio era regulado pela maré e que se a gente voltasse de tarde, veria outra paisagem…claro que agendamos a volta.

Rio Anil pela manhã

Rio Anil no final da tarde

Depois de lá fomos para o Centro Histórico de São Luís, que é patrimônio histórico da humanidade. O que vimos por lá? Muitos prédios mal cuidados, sem nenhuma conservação. Poucos eram os que estavam em boas condições. Uma pena ver tanta história se degradando com o passar dos anos.

Patrimônio da humanidade?

Um prédio chamou a atenção pela beleza e estado de conservação: o Palácio dos Leões.

Palácio dos Leões - sede do governo do Maranhão

Andamos pelo centro histórico e fomos almoçar num restaurante muito recomendado, o Cabana do Sol, onde experimentei o famoso “Arroz de Cuxá” e o “Guaraná Jesus”, refrigerante mais consumido no Maranhão.

Gosto de groselha com gás

Depois do almoço, esticamos nossas toalhas numa praia e ficamos lá curtindo o sol nordestino e o super vento de São Luís.  O que nos chamou a atenção na praia foi o tamanho da faixa de areia…. enorrrrrme até chegar ao mar que é turvo, porém bem quentinho.

Ficamos lá durante o resto da tarde, e quando o sol começou a se pôr, resolvemos voltar ao mirante que tínhamos ido pela manhã para ver a mudança da paisagem no rio Anil e nos surpreendemos…. tudo estava muito diferente, como mostrei anteriormente na foto!

Anoiteceu, voltamos para o hotel, tomamos banho e fomos jantar. Cardápio do dia: pizza! Voltamos cedo para arrumar as malas pois no domingo cedinho, seguiríamos para Barreirinhas onde, enfim, chegaríamos aos Lençóis Maranhenses.

Domingo (31/10/2010) – acordamos bem cedo e às 08 horas o ônibus passou no hotel para seguirmos as 3 horas e meia de viagem até Barreirinhas.

Com uma parada para lanche no caminho, a viagem foi super tranqüila e a paisagem observada na estrada é da pobreza do Maranhão…. até chegarmos lá, ainda não sabíamos que era o estado mais pobre do país. E em Barreirinhas, constatamos isso bem de perto.

Ficamos numa pousada super simples – pousada Brisamar- aliás, acho que o lugar mais simples que já fiquei na vida. Porém o carinho que a dona Nazaré (proprietária da pousada) nos recebeu, não existe em nenhum hotel 5 estrelas. Outro ponto excelente da pousada era que nos fundos, estava o rio Preguiças, a estrela da região.

Rio Preguiças, no quintal da pousada Brisamar

Deixamos nossa bagagem lá, reforçamos o filtro solar e fomos almoçar antes que o jipe que levaria aos Lençóis passasse para nos pegar.

Às 14 horas, o jipe chegou  lá fomos nós… uhu!

Para chegar aos Lençóis em Barreirinhas, é preciso atravessar de balsa o rio Preguiças e seguir numa trilha de areia por cerca de 30 minutos. Os guias recomendam que o horário de visitas seja após às 15 horas, por causa do sol forte.

Balsa para atravessar o rio Preguiças

Nós todos na balsa

Trilha feita, chegamos ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses e nada nos restava dizer além de uauuuuuuuuu.

Mesmo sendo período de seca, a paisagem é única. Você olha, olha, olha e não consegue acreditar na imensidão do lugar ( para se ter idéia, o parque tem o tamanho da cidade de São Paulo). Depois de muitas fotos logo na entrada, seguimos rumo à Lagoa do Peixe, que não seca nunca. Tínhamos uma longa caminhada pela frente…

Areia, céu azul...

Se a imensidão de areia impressionou, ao vermos o contraste com a água, ficamos sem palavras….uma lagoa de águas bem verdes, com aquela areia branquinha….Lindo demais!

Lagoa do Peixe

Passamos umas 2 horas lá, contemplando a beleza do lugar, descendo rolando as dunas e caindo na água e dizendo: valeu a pena, ê ê!!!

Como tínhamos que fazer todo o caminho de volta, assim que o sol baixou, começamos a voltar pois ninguém queria se perder por ali no escuro.. rsrsr

Valeu a pena, ê, ê!

Pose nos Lençóis

Ver o pôr-do-sol nos Lençóis é algo mágico!

Fizemos o trajeto de volta e voltamos para a pousada. Eu e a Adri, fomos ter nosso momento de ” Juma” nadando no Rio Preguiças, que no início da noite estava com a água bem quentinha… uma delícia!

Saímos do rio, tomamos banho e fomos dar uma volta em Barreirinhas. Jantamos e fomos dormir, pois tinha mais aventura no dia seguinte.

Segunda-feira (01/11/2010) – se já tínhamos gostado muito de Barreirinhas, eu fiquei imaginando o que seria Santo Amaro, que todos diziam ser mais lindo ainda. O que não tinha pensado ainda é que a trilha era de apenas 36 km e levaria 3 horas: sinal de muita aventura pela frente!

Acordamos, tomamos um delicioso café da manhã à beira do rio Preguiças e seguimos com mala e cuia rumo à Santo Amaro.

O jipe do Júlio

A viagem até Santo Amaro é para quem realmente está disposto a ver esse lado dos Lençóis. Chacoalha muito, pois o caminho é todo de areia, em meio à vegetação e o jipe tem que andar muito devagar para não atolar. Balança para um lado, balança pro outro e assim se foram 3 horas…. Confesso que no meio do caminho pensei: onde é que fui me meter, pois não agüentava mais ver a mesma paisagem e aqueles sopetões no meio do nada. E de 10 em 10 minutos, alguém perguntava: estamos chegando? Hahaha. A resposta era sempre: não! 😦

Depois de muittttto tempo, chegamos ao povoado de Espigão. Uma vilinha no meio dos Lençóis, com uma bela paisagem.

Espigão

Ficamos ali um tempo, tiramos muitas fotos e fomos almoçar no povoado de Betânia.

O almoço foi na casa do senhor Chico Calixto (morador local), pois ali não existe nadaaaaa. Comemos galinha caipira, arroz, macarrão, hummmm. Comidinha bem caseira no extremo interior do Maranhão – preço de cada galinha: 55 reais. Conforme disse minha mãe, a galinha mais cara do mundo.. kkkk. Mas era ou isso, ou isso. Lá não existe opção!

"Restaurante"

Depois do almoço, tiramos um merecido cochilo nas redes que estavam lá e seguimos para nova aventura: conhecer a lagoa da Betânia.

Aí sim dissemos: valeu a pena todo o difícil caminho, pois a recompensa foi ótima…

Águas azuis, cristalinas, quentinhas e ali, só pra gente! Um paraíso no meio do nada! Fiquei parada por alguns minutos pensando e agradecendo por ter a oportunidade de estar ali. Eu e a Adri fomos caminhando bem devagar, tirando foto de tudo… olhando para cada pedacinho daquela imensidão…

Lagoa Betânia

Nem mesmo as enormes e cansativas subidas de dunas estraga o passeio, pois você sabe que a cada “morro” você verá algo diferente e que com certeza valerá a pena.

A lagoa da Betânia é demais!!! Ficamos lá por um tempo, curtindo e apreciando tudo, nadando, tirando fotos….mas tínhamos que seguir em frente, porque ainda NÃO tínhamos chegado a Santo Amaro!!!

Com mais alguns minutos de trilha, chegamos à dunas de Santo Amaro para ver o pôr-do-sol. Por ali, existe a lago da Gaivota, que dizem ser a mais linda dos Lençóis. Mas como estávamos na época da seca, não tivemos a honra de vê-la com água.

Mesmo sem água nas lagoas por ali, apreciar a paisagem já valeu a pena…Bem que a Adriana falava: “Thaís, vamos tirar muitas fotos pois semana que vem a gente já vai ficar com saudades…” Então, tá! Vamos fotografar!

Depois de muitas e muitas fotos, apreciamos o pôr-do-sol…. minha mãe até chorou de tanta emoção ao ver o espetáculo. E realmente foi emocionante sentir a brisa naquele lugar lindo e deserto, com o sol dando seu show.

Apreciando o pôr-do-sol

Voltamos para o jipe, seguimos até o vilarejo de Santo Amaro, jantamos pizza, tomamos sorvete e criamos coragem para fazer o caminho de volta….

Seguimos até São Luís e chegamos no hotel por volta de 01 e 30 da manhã podres, porém muito felizes de ter estado em locais de belezas indescritíveis.

Terça-feira (02/11/2010) – como tudo que é bom dura pouco, chegou o dia de voltar à realidade :(. Arrumamos nossas coisas pela manhã e seguimos na hora do almoço para o aeroporto.

O Júlio veio nos buscar e lá seguimos, já que não tínhamos escolha.

Hora de dizer tchau à nosso amigo Júlio

Seguimos em nosso vôo com escala em Brasília e chegamos em Curitiba 20:30h.

O que trouxemos dessa viagem? Em primeiro lugar a grande admiração pelo Júlio, que foi nosso guia, parceiro e amigo na viagem. Tivemos certeza que ainda existem pessoas muito honestas nesse mundo e o Júlio é uma delas. O Júlio é o “barão do Maranhão!”

Voltamos pensando também que o Brasil precisa melhorar muito, precisa de mais investimento em turismo.Os Lençóis Maranhenses são maravilhosos, mas para que a população do Maranhão possa melhorar de vida e se beneficiar desta maravilha natural, é preciso muito mais infraestrutura por lá.

Além disso, trouxemos conosco o reforço de que nosso país é muito mais lindo do que a gente pensa! Até o momento, considero os Lençóis Maranhenses o lugar mais lindo que já visitei no Brasil!

Anúncios

16 Comentários

Arquivado em Brasil, Maranhão, Nordeste do Brasil