Arquivo da categoria: Curaçao

Curaçao: parte 6 – praias de Port Marie e Cas Abao

Em destinos de praia, gosto de formular os roteiros quando chego no destino, pois assim pego o mapa e já vejo o que é mais viável. Desde que chegamos em Curaçao, li milhares de vezes os relatos do site Falando de Viagem para decidir onde passaria a maior parte do tempo. Lendo outros sites, fiquei na tremenda dúvida sobre qual seria a praia mais bonita da ilha: uns votavam em Kenepa Grandi e outros em Cas Abao ou Port Marie. Portanto esse dia começava com um grande ponto de interrogação sobre qual seria a nossa praia favorita de Curaçao.

Não me lembro se disse nos posts anteriores, mas reforço aqui a importância de GPS em Curaçao. Mesmo com o equipamento erramos o caminho várias vezes e nem quero imaginar o que teria acontecido sem ele, hehe.

No caminho, passamos pelo Flamingo’s point, que é um banhado onde existem vários flamingos. Não consegui chegar perto para fotografá-los, mas vale a pena uma paradinha. Essa foi a primeira vez que vi os bichinhos fora de um zoológico.

DSC09416

Antes de chegarmos às praias mais famosas, demos uma parada em Daaibooi, uma praia pública bem bonita e calma.

DSC09419 DSC09421

Logo a frente, chegamos a Port Marie, que é uma praia paga, com estacionamento, restaurante e toda infraestrutura para o conforto dos frequentadores.

DSC09425

Não havia uma portaria e entramos sem saber para quem deveríamos pagar. Achamos a praia lindíssima, mas não encontramos nenhum lugar na sombra para nos alojarmos. Sendo assim, resolvemos apenas tirar algumas fotos por ali e partir para Cas Abao.

DSC09444 DSC09448 DSC09450

Pegamos o carro  e seguimos até a tão falada praia de Cas Abao.

DSC09452

Logo ao chegar na praia, você é recebido pelo simpático porteiro que adora brasileiros e ali mesmo paga a entrada.  Cas Abao tem até site e lá você pode checar o preço.

A praia é ma-ra-vi-lho-sa e conta com restaurante, casa de massagens, aluguel de cadeiras e guarda-sol. Estava cheia, mas como tem grande extensão de areia isso não nos incomodou. Nos instalamos numa sombra e lá ficamos curtindo a deliciosa sensação de estar ali.

DSC09455DSC09457

Tudo é lindo por lá, mas o ponto mais fotogênico da praia são suas pedras na lateral direita. Um lugar que você irá tirar fotos e mais fotos, de tão perfeito que é o cenário.

DSC09492DSC09477 DSC09485

Estava muito quente e só saímos da sombra para ficar na água fazendo snorkel. A água é extremamente transparente e conseguimos ver vários peixes por lá.

Aproveitamos a estrutura para tomar um sorvetinho, comprar bebidas e fazer nossa farofa.

DSC09517

Passamos a tarde toda por ali e quando o sol estava baixando resolvemos levantar acampamento. Nossa viagem estava chegando ao fim e esta foi a última foto que tiramos em Curaçao.

DSC09531

Adoramos Port Marie e Cas Abao, mas por muito pouco ainda prefiro Kenepa Grandi, por ser mais deserta e menos “urbanizada”.

Voltamos para o hotel, arrumamos nossas coisas e começamos a nos preparar psicologicamente para voltarmos ao Brasil. Para nossa sorte, conseguimos no Panamá antecipar nosso voo e chegando em São Paulo também deu certo.

Aruba e Curaçao é uma dobradinha fantástica e eu recomendo muito. Dois lugares lindíssimos, com povo acolhedor e praias paradisíacas separados apenas por meia hora de voo.  Ir até lá e só conhecer uma delas para mim é um desperdício. Vale qualquer esforço para reunir os destinos em uma única viagem.

Essa foi nossa segunda ida para ilhas caribenhas (a primeira foi para Los Roques), mas mesmo assim, quando víamos as fotos das praias não conseguíamos acreditar na cor real da água. Só estando em praias como estas que você tem certeza de que não é Photoshop e que lugares assim existem. Estar lá é algo mágico e escrever este post 3 meses após ter voltado só me faz ter mais saudades deste paraíso na terra chamado Caribe 🙂

Anúncios

6 Comentários

Arquivado em América do Sul, Caribe, Curaçao

Curaçao: parte 5 – Sea Aquarium

Comprando alguma atividade na Dolphin Academy, você tem entrada grátis no Sea Aquarium até porque os dois lugares são um só. Já que estávamos por lá, resolvemos curtir o passeio e aguardar o show dos golfinhos que aconteceria dali a alguns minutos.O lugar é meio decadente e precisa urgentemente de reformas, portanto vá com expectativas bem baixas.

Antes de vermos o interior, fomos dar mais uma espiada nos golfinhos lá no aquário.

DSC09260 DSC09261 DSC09267

Assistimos o show, que é bem fraquinho comparado ao do Seaworld, mas mesmo assim vale a pena.

Fomos ver as atividades do Sea Aquarium e começamos pelo Touch Tank, onde você pode pegar na mão ouriços e estrelas do mar.

DSC09296 DSC09299

Já era hora do almoço e saímos do local para comermos os lanchinhos que tínhamos trazido (farofa!)

Voltamos e fomos fotografar a bonita praia artificial que fica logo na entrada do Aquário.

DSC09304

Entramos num “submarino” que permite ver vários peixes enormes. Parecia até que o vidro aumentava, mas era o tamanho real mesmo.

DSC09311 DSC09313

Para nos programarmos, pegamos os horários das atrações e vimos que o próximo horário seria o show do leão marinho.

DSC09317

Perguntamos onde era o local e logo entramos. Nunca tinha visto a performance de um leão marinho e achei bem legal! Valeu a pena ter ficado debaixo daquele sol do meio-dia.

DSC09318 DSC09324 DSC09327

A próxima atração foram os tubarões-lixa, onde é possível passar a mão nos animais e vê-los sendo alimentados nos horários de show. Destaque para o rapaz super simpático que é o orientador. Adora brasileiros e se esforça ao máximo para falar português.

DSC09345

Além dos shows, existem por ali várias espécies de peixes, tartarugas, arraias e flamingos.

DSC09336 DSC09337 DSC09340 DSC09342

Com tanto lugar bonito em Curaçao, não acredito que valha a pena perder muito tempo no Sea Aquarium. Estado de conservação ruim e poucas atrações, é isso que irá encontrar por lá. O que salva o lugar são os golfinhos, e só.

Para passarmos o resto do dia, resolvemos procurar uma praia que não fosse tão longe e achamos no mapa Kokomo Beach.

DSC09346

Uma praia pequena, mas com excelente qualidade para se fazer snorkel.

DSC09379 DSC09380

Passamos o resto da tarde lá, deitados na areia e curtindo o sossego.

DSC09386

Voltamos para o hotel, tomamos banho e fomos dar mais uma volta no centro histórico.

DSC09397

Atravessamos a ponte Queen Emma e de repente vimos todo mundo correndo e o apito tocando. Era sinal de que a ponte ia se movimentar, hehe.

DSC09411

Corremos para Otrobanda e tiramos algumas fotos por lá.

DSC09409 DSC09410

Passamos numa feirinha e compramos o imã de geladeira para nossa coleção. Demos uma caminhada por ali, mas não achamos o local tão seguro quanto Punda e resolvemos voltar pro outro lado.

Já estava escurecendo e só jantamos num KFC e logo voltamos para o hotel. Nesse segundo dia já tínhamos certeza de que Curaçao é muito mais do que um lugar com lindas praias: tem cultura, história e os lindos golfinhos 🙂

Deixe um comentário

Arquivado em Caribe, Curaçao

Curaçao: parte 4 – Dolphin Academy

Nadar com golfinhos sempre foi um sonho meu. Quando estivemos em Orlando, até pensamos em incluir no roteiro, mas por causa do preço deixamos de lado. Organizando a viagem para Curaçao não pensamos duas vezes em fazer a atividade e pagar o que fosse para realizar nosso antigo sonho. Um belo dia, entramos no site da Dolphin Academy Curaçao, vimos os preços e logo reservamos o pacote Dolphin Swim, que não era o menos caro, mas permitia maior interação com os bichinhos. Recomendo o agendamento prévio, pois além de garantir sua vaga, conseguirá escolher o horário e assim organizar o roteiro do dia já contando com a atividade. Fizemos pela internet e deu tudo certo.

Chegamos ao Sea Aquarium, que é onde fica a Dolphin Academy, pagamos o estacionamento e seguindo as placas chegamos à entrada. Por ali, estava um senhor que separava os agendados dos não-agendados. Num primeiro momento, parecia que todos estavam perdidos, inclusive nós. Como o senhor mandou aguardar, seguimos as instruções.

DSC09269

O estabelecimento ainda não estava aberto e acho que foi por isso que não estava fácil de entender o fluxo. Quando abriu, seguimos numa fila, apresentamos o papel de nossa reserva, assinamos um termo de responsabilidade e tive que confirmar algumas vezes que não estava grávida.

Após o pagamento, nos encaminharam para uma sala com lockers onde poderíamos guardar nossos pertences, vestir roupas de banho e depois ir para a primeira sala de instruções. Antes disso, nos perguntaram se queríamos ir no grupo em espanhol ou inglês. Fomos na segunda opção.

Não espere encontrar instalações do tipo Disney, pois irá se decepcionar. Todos os ambientes são muito simples, mas limpos, hehe.

Entramos numa sala, assistimos um vídeo contando sobre a vida dos golfinhos e recebemos algumas orientações sobre o que era permitido e proibido durante a interação com os animais. De lá, seguimos os instrutores para o local onde colocamos os pés-de-pato, que são itens obrigatórios. Quem quiser colete salva-vida, também pode vestir.

Preparados, nos aproximamos do aquário e a ansiedade só aumentava. Sou fascinada por golfinhos e imaginar que dali a alguns minutos eu estaria na água com eles me fazia vibrar. Não é permitido levar máquina fotográfica até lá.

Finalmente chega o grande momento e nos chamam para entrar na água. As atividades são feitas em grupos de 6 pessoas e duram meia hora. Os instrutores perguntam seu nome e dividem bem o tempo para que todos possam interagir e tirar boas fotos com as estrelas do aquário.Existem alguns truques pré-estabelecidos e todos os fazem.

Truque número 1: fazer os golfinhos “conversarem” com você. Dois dedinhos para cima e pronto! Impossível não abrir um sorriso com a amabilidade deles.

foto1

Truque número 2: colocar a mão no ombro e ganhar um beijinho (sempre sonhei com essa foto!)

foto5

Truque número 3: cumprimentar os golfinhos

foto12

Truque número 4: uma volta com os golfinhos

foto18

Truque número 5: você gira, os golfinhos giram

foto29

Entre um truque e outro, você nada livremente com eles e percebe o tanto que eles gostam da interação. Acredito que eu tenha passado os 30 minutos sorrindo, de tão feliz que estava…

foto2 foto14 foto27

Estes foram os dólares mais bem gastos de minha vida. Uma experiência indescritível!

Ao final da atividade, você volta para a sala, assiste mais um vídeo sobre a preservação de espécie e ao sair passa pela loja que oferece o DVD e todas as fotos que foram tiradas pelos fotógrafos por preços bem salgados, mas que obviamente você irá comprar. Deixo aqui a dica para você testar o CD e DVD antes de sair. Eu não fiz isso e ao chegar em casa percebi que estava com erro. Após vários e-mails comprovando o pagamento consegui recuperar os arquivos, mas fiquei com muito medo de não ter o registro de uma das melhores experiências que já vivi 🙂

Se você também tem esse sonho e está indo para Curaçao, não deixe de nadar com os golfinhos na Dolphin Academy. Vale cada centavo!

35 Comentários

Arquivado em Caribe, Curaçao

Curaçao: parte 3 – Centro Histórico

Voltando de Kenepa Grandi, ainda tínhamos algumas horas com sol e resolvemos ir conhecer o charmoso centrinho de Willemstad. Uma informação importante é você saber que a região é dividida em duas partes: Punda e Otrobanda. Para passar de carro entre um lado e outro, só existe a Big Bridge, como nos informaram no aeroporto.

DSC09224

Já para os pedestres, existe a linda “Queen Emma Bridge”, que é uma ponte flutuante e articulada (quando navios precisam passar, ela se move).

DSC09226

Como estávamos de carro do lado de Otrobanda, logo achamos um parquímetro, pagamos um baixo valor e estacionamos nosso carro. Dali, seguimos caminhando em direção à ponte para atravessarmos rumo à Punda.

Os predinhos coloridos que são os protagonistas dos cartões-postais ficam em Punda e era lá que queríamos chegar. Na travessia da Queen Emma, cada parada era um clique.

DSC09234 DSC09235

O estado de conservação das construções é impecável. Sinal de que realmente valorizam o turismo por ali.

DSC09238

O centrinho histórico é cheio de lojas de grifes. Entrei numa loja de cosméticos para checar alguns preços e não achei nada com preço muito atraente. Andamos meio sem rumo só observando os prédios e o movimento. Tudo bem ajeitadinho.

DSC09247 DSC09250

De repente nos deparamos com os letreiros de Curaçao e é claro que quis tirar foto. Dushi =querido em papiamento.

DSC09243 DSC09244

O sol já estava caindo e não tínhamos conhecido todo o centrinho, mas isso não foi problema. Como teríamos tempo para voltar, fomos buscar o carro lá em Otrobanda. Para garantirmos os lanchinhos do dia seguinte, fomos até um supermercado e compramos algo para prepararmos o jantar no próprio hotel.

O primeiro dia tinha sido perfeito e eu mal podia esperar pelo dia seguinte, quando finalmente iríamos nadar com os golfinhos. Dolphin Academy Curaçao é o assunto do próximo post da série Curaçao.

Deixe um comentário

Arquivado em Caribe, Curaçao

Curaçao: parte 2 – a paradisíaca praia de Kenepa Grandi

Já tendo visto tantas lindas praias no caminho, a curiosidade para conhecer Kenepa Grandi só aumentava. Ao chegarmos no estacionamento, já pudemos ver o azul do mar e eu mal esperei fechar a porta do carro pra sair correndo e ver a praia de uma vez. Estava de óculos de sol e logo os tirei para poder ver bem certinho aquele paraíso à nossa frente. Esse foi um dos momentos de mil vezes “uau” da viagem. Juro que eu não sabia o que fazer ao chegar o mirante: tirar fotos, apreciar a vista, pegar o celular pra poder postar no Facebook? Fiquei sem reação diante de um lugar tão lindo. Sorte que tirei essas fotos para registrar nossa primeira vista de lá.

DSC09110DSC09112 DSC09115

Vocês sabem que para mim o quesito principal em uma praia é a cor da água, e ao conhecer Kenepa Grandi, ela já foi colocada no posto de praia mais linda que já visitei. Ganha de Aruba, Los Roques e de todas as Ilhas Gregas que conhecemos. A praia é simplesmente maravilhosa!

DSC09121

Descemos as escadas para poder chegar pertinho do paraíso. Para completar a perfeição, a praia não estava lotada e o mar é calmo e quente do jeito que eu gosto.

DSC09124

A Kenepa Grandi conta com uma pequena lanchonete, que vende lanches e bebidas. Nós não compramos nada por lá, pois já íamos para a praia com nosso kit sobrevivência – sanduíches e refrigerantes. Aliás, essa é uma prática muito comum tanto em Aruba como em Curaçao. Como as praias não contam com tanta estrutura para alimentação (algumas não têm nada!) o pessoal leva a marmita mesmo, e isso é bem comum.

Achamos uma sombra para nos protegermos do sol e o Loedi resolveu tirar um cochilo. Eu fiquei sentadinha e admirando toda a beleza do lugar e assim que meu marido resolveu acordar, fomos fazer snorkel. O local é muito bom para ver várias espécies de peixe e mesmo em locais bem profundos a visibilidade da água é perfeita.

Voltamos para a areia e fomos tirar mais fotos para registrar nossa passagem por lá.

DSC09132 DSC09135DSC09151 DSC09156

Entre alguns mergulhos e mais um pouco de snorkel, vimos a tarde passar deliciosamente em Curaçao. Cada um dos 45 km valeram muito a pena e ser longe faz parte de seu encanto, pois se fosse pertinho com certeza estaria cheia de gente e perderia a graça.

Após termos certeza de ter aproveitado tudo o que podíamos, pegamos nossas coisas para voltarmos a Willemstad.

DSC09199

Antes de pegar o carro, fomos até o mirante para mais alguns cliques com esse cenário que parece photoshop.

DSC09200 DSC09210 DSC09220

Felizes demais com tudo o que vimos, pegamos o carro e percorremos o caminho de volta ainda com a luz do dia.

Kenepa Grandi foi uma linda e esperada surpresa em Curaçao e ficará em nossa memória como um dos lugares mais lindos em que já pisamos… Viva!

16 Comentários

Arquivado em Caribe, Curaçao

Curaçao: parte 1

Em nosso primeiro dia em Curaçao, resolvemos dormir até tarde para recompor todas as nossas energias. Acordamos e aí sim fomos pesquisar qual seria nosso roteiro pela ilha.

Vindos de Aruba, onde tudo é relativamente na mesma linha, nos assustamos ao descobrirmos as distâncias das praias por ali. Ficamos surpresos, também, com a quantidade de escolhas que podíamos fazer.

curacao_map_beaches

Lemos alguns blogs e relatos de viagem e logo de cara decidimos ir para a rota que teria como ponto final uma das mais populares praias dos leitores, chamada Kenepa Grandi e que fica à 45km de Willemstad, a capital da ilha e onde fica a maioria dos hotéis.

Ao contrário de Aruba, em Curaçao é muito comum ver placas em papiamento. O holandês também é bastante ouvido na ilha. As praias têm diferentes nomes em dois idiomas. A Kenepa Grandi também é conhecida como Grote Knip. Portanto não se assuste ao procurar determinada localidade no mapa e não achar, pois pode ser só questão de idioma (o Google resolve, rs). Já digo que sem GPS não seríamos ninguém em Curaçao. Para chegar às praias mais afastadas, mesmo seguindo as placas nos perdemos várias vezes e só nos achamos porque tínhamos o mapa da região em mãos.

Como vimos várias praias próximas, escolhemos ir parando em cada uma delas para pelo menos dar uma olhada.

Após uns 40 minutos de viagem, chegamos à nossa primeira parada: Playa Lagun.

DSC09057

Minha ansiedade era grande para ver o mar de Curaçao. Seria como o de Aruba? Como o de Los Roques? O das Ilhas Gregas?

Dei alguns passos e uauuuuuu…. que mar é esse?

DSC09059 DSC09068

Além da água transparente, o que chama a atenção por ali são as pedras e a vegetação. Um cenário paradisíaco e essa era só a primeira parada.

Ficamos um pouco por ali e logo seguimos para o próximo ponto do mapa: Playa Jeremi.

Com águas tão lindas quanto a anterior, mas com maior extensão e mais pedras ao redor. O que mais dizíamos era: se essas não são as mais bonitas, imagine o que vamos encontrar em nosso destino final.

DSC09097 DSC09100

Nossa penúltima parada foi a Kenepa Chiki, que tinha mais tons de azul que as praias anteriores. Se não houvesse placa na entrada com a identificação, acreditaria que era essa a mais linda praia de Curaçao.

DSC09104 DSC09106

Esses primeiros momentos em Curaçao foram suficientes para nos deixar encantadíssimos com a ilha. Já tivemos a oportunidade de estar em vários lugares lindos do mundo, mas nada comparável às imagens que estávamos vendo neste dia.

Seguimos mais um pouco à frente e finalmente chegamos na tão falada Kenepa Grandi, mas ela é tão especial que merecerá um post exclusivo. Em breve, aqui no Próximos Destinos 😉

1 comentário

Arquivado em Caribe, Curaçao

Chegando em Curaçao

Desembarcamos no horário em Curaçao e nossa mala chegou rapidamente. Fomos para o guichê da National retirar nosso carro e em seguida fomos em busca de nosso hotel.

Já tinha lido que Curaçao era bem maior que Aruba, mas a sensação só se materializou quando olhei para o mapa. Como era noite, fiquei bem receosa de andar por estradas desconhecidas, num país estranho e sem saber direito a rota do hotel. Estávamos com o destino traçado no GPS, mas já passei com tantos perrengues por causa desse instrumento que sempre fico com um pé atrás.

Pelo que estávamos vendo, era só seguir em linha reta até a “ponte grande”, como sugeriu o atendente da locadora e só fui entender o quanto a ponte era grande quando chegamos lá. Não sou a melhor navegadora de GPS e errei na interpretação dos dados e é óbvio que perdemos a entrada que deveríamos pegar. Fizemos o retorno em local que achávamos que era permitido, mas depois descobrimos que algumas placas de trânsito têm significado totalmente diferente do que estamos acostumados. Esse sinal em Curaçao significa retorno proibido, fique atento!

600px-Retorno_permitido

Voltamos um longo caminho até encontrarmos outro retorno e dessa vez sim acertamos. Graças ao mapa do GPS, encontramos o Ritz Studios Hotel. Nos acomodamos e fomos descansar pois mal podia esperar para explorar mais uma ilha caribenha. Assim como Madri e Barcelona têm suas richas, Aruba e Curaçao também tem quem prefira uma ou outra. É claro que eu também queria ter minha opinião, hehe.

2 Comentários

Arquivado em Caribe, Curaçao