Chapman’s Peak Drive: 9 km de extensão, 114 curvas e lindas paisagens

Saímos do Old Biscuit Mill e pegamos a estrada para fazermos o roteiro do dia que incluía a viagem pela Chapman’s Peak Drive, que é considerado um dos trechos mais bonitos da África do Sul, uma parada na Boulders Beach para vermos os famosos pinguins e parada final em Cape Point, onde visitaríamos o Cabo da Boa Esperança. Além de ir por esse caminho, há a possibilidade de se pegar outra estrada para fazer a mesma rota sem pagar pedágio, porém como lemos muitos relatos sobre as paisagens da Chapman’s, seguimos nessa opção. Um ponto importante é verificar pelo site se o trecho está aberto, pois devido à condições meteorológicas a estrada é fechada por questões de segurança.

Para nossa sorte, a previsão do tempo acertou e pudemos curtir um bonnito sábado de sol. Assim que chegamos na Chapman’s já nos deparamos com paisagens lindas que em dias nublados não teriam o mesmo gostinho. A vontade era de ir parando em cada um dos vários mirantes que existem por lá, mas como estava ventando muito e a temperatura também não era das melhores, paramos apenas em um deles e aproveitamos para tirar todas as fotos que queríamos.

Por ali, vimos muitas pessoas se arriscando subindo em pedras e penhascos para garantirem o super ângulo, porém há também áreas bem seguras para quem quer garantir um bom clique. É claro que devido à altura, não desgrudamos um segundo da Camila, mas é tranquilo para ir com crianças nos lugares específicos para paradas. A única coisa chata é o vento muito forte que atrapalha boa parte das fotos, rsrs. O jeito é escolher aquela em que você aparece menos descabelada….

A estrada é estreita, sinuosa e cheia de ciclistas que se aventuram para curtir as paisagens, porém até eu que sou a maior medrosa para viajar de carro me senti segura devido à intensa sinalização e prudência dos motoristas. Esse é o tipo de estrada em que não dá pra abusar em nenhum quesito e se você quer se assustar basta procurar os relatos de acidentes que já aconteceram por lá (fiz a besteira de ler e fiquei com medo, mas depois vi que não era pra tanto e que os cuidados com segurança aumentaram muito nos últimos anos) Também havia lido que muitas vezes os carros chegam a balançar por causa da força do vento, mas não chegamos a sentir essa intensidade.

A Chapman’s tem extensão de 9 km, formados por 114 curvas e muitos momentos “uau” de paisagens. Apesar da viagem ao Cabo da Boa Esperança ser mais demorada por esse caminho, vale muito a pena por conta do visual único. Para quem quer fazer da rodovia “o” passeio do dia, também há várias opções de lazer que são listadas no site. Estando em Cape Town com carro alugado, inclua essa opção em seu roteiro e aproveite uma das rodovias mais cênicas do mundo.

Próxima parada: Boulders Beach!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town

The Old Biscuit Mill: passeio de sábado em Cape Town

Se houver um sábado em sua estadia na Cidade do Cabo, inclua uma passada no mercado/feira de Old Biscuit Mill. O local tem uma história misteriosa, porém atualmente abriga várias boutiques, lojas de artes e a atração mais famosa que é o Neighbourgoods Market (acontece das 09 às 15h aos sábados). Percebemos o quanto que o lugar é concorrido já ao procurarmos uma vaga para estacionar nas proximidades. Chegamos perto do horário de abertura e mesmo assim as redondezas estavam cheias. Estacionamos na rua, demos a gorjeta pedida pelo guardador de carros e caminhamos até a entrada.

Começamos andando pela área externa, onde há várias lojinhas de roupas, artes e restaurantes. Passamos dando uma olhada geral e já impressionados com o ambiente super cool frequentado por diferentes estilos de pessoas. O que achamos interessante é que nesse horário parecia ter mais locais do que turistas. Encontramos um poço onde Camila jogou uma moedinha pela primeira vez e demos muitas risadas quando perguntamos: ” Qual o seu desejo, filha?” e a resposta dela foi: “Um sorvete!”, rsrsrsr. Há também uma decoração bem estilosa por todos os cantos, o que deixa o mercado ainda mais legal.

Como estávamos com pouco tempo (ainda iríamos para o Cabo da Boa Esperança nesse dia), logo fomos conhecer a parte gastronômica , o famoso Neighbourgoods Market. Chegamos e logo entendemos porque o local é tão disputado. Imagine um monte de barraquinhas servindo comidas do mundo todo, mais algumas bancas de frutas, verduras e flores super coloridas e o cheirinho delicioso que paira no ar. Fizemos questão de passar por cada cantinho do mercado e ver o que encontrávamos, só lamentando que não fomos mais próximos à hora do almoço para podermos experimentar alguns pratos. Para nossos padrões de café da manhã as comidas servidas lá eram pesadas, mas não era essa a impressão da maioria das pessoas que se deliciava com alguma opção da variada gastronomia.


Nós tomamos apenas um café, aproveitamos a área externa coberta para dar a frutinha da Camila e seguimos de volta ao carro para pegarmos a estrada rumo ao Cabo da Boa Esperança. Saímos do Old Biscuit Mill comentando que felizmente conseguimos conhecer o local tendo um sábado disponível em nossa viagem, e o tanto que amamos o passeio mesmo sendo corrido. Nossa única frustração foi não termos provado nada por lá, pois os cheiros e as aparências das comidinhas estavam irresistíveis.

Nosso dia só estava começando e estávamos super empolgados pelo que ainda estava por vir: Chapmans Peak Drive, Boulder Beach e Cabo da Boa Esperança.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Aquário de Cape Town com criança de 3 anos

O Two Oceans Aquarium fica localizado no V&A Waterfront, portanto ao visitar a Cidade do Cabo você passará por lá com certeza. Chegamos no meio da tarde, compramos os ingressos lá mesmo (na compra online há desconto) e já na entrada notamos o excelente atendimento dos funcionários.

A primeira atração que nos chamou a atenção foi um aquário cheio de peixes-palhaço, os lindinhos Nemos. Camila correu para admirá-los e logo entrou num espaço de onde parece que estamos no meio deles.

Um pouco mais à frente, encontramos outra seção bem fofinha: o Jelly Babies, onde há um túnel escuro cheio de águas-vivas de várias cores. Achei a forma da exposição bem interessante devido à variedade de espécies apresentadas com destaque no ambiente sem luz. Pena que não saiu nenhuma foto 😦

Um outro tanque que chamou muita a atenção da Camila foi o dos tubarões, arraias e tartarugas. Ela ficou fascinada de poder ver bem de pertinho os animais. O espaço é grande e é bem legal ficar observando a movimentação dos bichos na água.

Outro destaque é a seção de pinguins, que reproduz o habitat natural da espécie. É possível chegar bem perto dos animais, claro que respeitando os avisos de não tocá-los para não haver risco de mordidas.

Existem mais um montão de áquarios com outras espécies, mas nada fora do comum. Acredito que ficamos no máximo 1 hora no Two Oceans Aquarium e foi suficiente para ver as principais atrações, pois além de pouca variedade de peixes, o espaço é pequeno. Recomendo a visita apenas se estiver com crianças ou se nunca visitou um aquário, uma vez que o valor do ingresso é caro pelo que oferece. Claro que pra Camila foi um passeio sensacional, porém pra gente a classificação é bem mais ou menos, hehe.

Saímos de lá e não resistimos a dar mais uma volta no Waterfront, que acabou sendo rápida porque já era fim de tarde e o frio estava pior ainda. Aproveitamos para tirar uma foto na pracinha que tem a escultura de todos os sul-africanos que ganharam Prêmio Nobel e uma vez mais observar a linda Table Mountain. E por falar nela, sorte que conseguimos vê-la sem nuvens em nosso primeiro dia em Cape Town, porque em todos os demais estava encoberta por nuvens….

E já que tínhamos que passar no supermercado do shopping, tiramos mais algumas fotos em frente à roda-gigante, tentamos nos esconder do vento nos mercados de comidas e artesanatos do Waterfront, e passamos mais uns minutinhos curtindo a deliciosa vibe do local.

Após mais um dia intenso de atividades, voltamos para o apartamento para descansarmos e planejarmos melhor o nosso passeio do dia seguinte, que teria como destino final o famoso Cabo da Boa Esperança.

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town

Butterfly World: visitando um lugar fora do roteiro tradicional de Cape Town

Ainda faltavam algumas atrações “obrigatórias” para conhecermos nos arredores de Cape Town e tínhamos 2 dias na cidade. Um passeio que já tínhamos planejado era a ida até o Cabo da Boa Esperança, porém segundo a previsão do tempo o melhor dia para irmos até lá seria o sábado, já que para a sexta-feira a previsão era de tempo nublado e chuva no final da tarde. Sendo assim, resolvemos pesquisar opções de passeios com crianças nas redondezas e dedicar um dia inteiro para a Camila (à tarde planejamos visitar o Aquário)

Começamos a olhar no Trip Advisor e encontramos a descrição de um lugar que parecia interessante chamado Butterfly World, que era próximo às regiões vinícolas que entrariam em nosso roteiro do dia caso o clima colaborasse. Lemos desde relatos super legais até alguns desastrosos sobre o lugar, mas resolvemos arriscar a ida até lá. Se tudo desse errado, visitaríamos as produtoras de vinhos e salvaríamos a viagem de carro de quase 1 hora.

No caminho, ficamos bem impressionados com a qualidade das estradas sul-africanas e nos surpreendemos uma vez mais com a infraestrutura dessa região do país. A sinalização também era bem clara e frequente. Foi bem fácil encontrarmos nossa primeira parada do dia. Juro pra vocês que quando chegamos pensei que tínhamos escolhido uma furada de passeio, pois a entrada do lugar era bem feinha. Como o ingresso não era tão caro, resolvemos arriscar…Logo no primeiro corredor, há vários esqueletos de animais africanos e a Camila achou bem legal desde o comecinho.

Ao entrarmos no primeiro espaço interno nos surpreendemos com vários pássaros soltos e algumas espécies que nunca tínhamos visto na vida. Tinha também iguanas e outros répteis que ficavam expostos bem próximos aos visitantes. Os bichinhos se sentem bem à vontade e alguns até pousam nas pessoas. Já ali tivemos certeza de que valeu a pena termos saído do tradicional para explorarmos um lugar mais frequentado por locais.

Há também uma área com animais enjaulados, que não achei tão legal devido ao pouco espaço reservado para eles. Só passamos e demos uma rápida olhada.

Ainda na parte interna há um borboletário, algumas espécies de cobras, sapos e também uma sessão dedicada aos aracnídeos. Como a Camila tem certo medo, preferimos apenas visitar as borboletas no jardim tropical.

Ao sairmos para a área externa achamos super interessante ver um esqueleto de girafa exposto por lá, pois é algo que nunca tínhamos visto na vida. Também gostamos de ver várias tartarugas soltas como se estivessem no habitat natural. Por ali encontramos também alguns macaquinhos e corujas, soltos dentro do espaço reservado do parque.

Acho que não levamos 2 horas para conhecermos todo o Butterfly World, que é um espaço pequeno e com poucas atrações. Pelo que percebemos é muito frequentado por grupos escolares da região e não propriamente uma atração turística. A visita valeu muito a pena por estarmos com a Camila, que ama bichinhos. Caso estivéssemos sozinhos não teria sido legal. Até vimos mais turistas por lá, que provavelmente estavam à caminho das vinícolas da região, mas foram poucos.

Ao sairmos, seguimos para a cidadezinha de Stellenbosch onde queríamos almoçar e decidir se faríamos a visita à uma vinícola. Na estrada, nos encantamos com as lindas paisagens da região….

Stellenbosch mereceria um post à parte caso tivéssemos passado mais tempo por lá. Foi tão corrida nossa passagem pela cidade que nem lembrei de tirar fotos, mas a lembrança forte que fiquei foi do ar europeu que tem. Por algumas vezes tive que forçar meus pensamentos para lembrar que estávamos na África do Sul e não no Velho Continente. Almoçamos com calma e decidimos não visitar nenhuma vinícola pois eu estava com muito frio e não queria encarar o vento lá fora. Sendo assim, logo voltamos para Cape Town onde ainda iríamos visitar o Aquário.

No trajeto da volta conversamos bastante sobre essa nossa saída do roteiro convencional de viagem e achamos o máximo. Sempre gostamos de fazer passeios dos locais, mas com a companhia da Camila tem um gostinho especial. Queremos muito que ela cresça viajando com a gente e entendendo que nem sempre o melhor das viagens está nos cartões-postais.

Obs: agora mesmo ela chegou aqui ao meu lado, viu as fotos e disse com os olhinhos arregalados: “Uau, olha só o Butterfly World!”. Na cabecinha dela tanto faz ver a Table Mountain ou o simples mini zoo que visitamos. A lembrança que vem com certeza é de que vivemos momentos mágicos em família e pouca importa onde aconteceu 🙂

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town

Kirstenbosch: o Jardim Botânico de Cape Town

Uma das coisas que descobrimos somente no planejamento de nossa viagem é que a Cidade do Cabo foi fundada por holandeses em 1652 (não fazia a menor ideia) e com isso muitos dos nomes dos lugares e ruas puxam para as raízes dessa língua. Assim é a denominação do Jardim Botânico de lá, o Kirstenbosch, que entrou em nosso roteiro pelas várias descrições positivas que lemos do local.

Chegamos após o almoço e o tempo já havia virado, porém estava bem menos frio do que em Camps Bay que foi nosso passeio matinal. Logo de cara o que nos chamou a atenção no jardim botânico foi a linda vista da Table Mountain emoldurando o parque.

Na época em que fomos (início de setembro) não havia muitas flores por lá, mas sim muito verde. O que mais nos surpreendeu no Jardim Botânico de Cape Town foi a tranquilidade e paz de estar ali. A Camila ficou super feliz de poder correr por tudo, observar os pássaros, os patinhos, os riachos e a natureza.

O pneu do carrinho da Camila furou lá na praia e assim ela teve que caminhar todo o trajeto do Kirstenbosch. No início estávamos apreensivos, mas até que ela aguentou bem. Quando cansava, o Loedi a colocava nos ombros até dar uma aliviada e em seguida ela caminhava mais um tanto.

Para quem entende e gosta de botânica, há vários setores em que você pode entrar e explorar as plantas. Como esse não é nosso caso, entrávamos apenas nas sessões que nos chamavam mais a atenção, como um jardim de cheiros ou de plantas medicinais. Encaramos esse passeio como uma deliciosa caminhada em um parque rodeado de paisagens bonitas. E nesse clima, já até havíamos comprado no caminho uma caixa de morangos super lindos para podermos sentar, apreciar o ar bucólico do local e fazer um piquenique.

Após essa pausa, seguimos para a atração mais legal do parque em minha opinião: Tree Canopy Walkway, que é uma passarela suspensa entre as árvores e de onde se tem uma linda vista do parque e da Table Mountain.

Saindo da Tree Canopy Walkway em direção à saída, do parque encontramos as paisagens mais lindas que vimos em todo o parque, um cênico túnel de árvores que nos fez parar e ficar admirando a beleza da natureza.

Visitar o Kirstenbosch foi bem agradável e ficamos umas 3 horas por lá, tempo suficiente para onhecer de forma geral o parque. Recomendo a visita para quem gosta de curtir a natureza e tranquilidade. Pra nós foi uma delícia curtir uma tarde em família apreciando a natureza.

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town

Uma das praias mais famosas de Cape Town: Camps Bay Beach

Em nosso segundo dia na cidade, fomos conhecer a mais badalada praia da Cidade do Cabo. Logo ao chegarmos, notamos a similaridade com o Brasil ao ver vários guardadores de carro próximos à calçada abordando os motoristas que lá deixam seus carros. Paramos bem próximos à um parquinho onde queríamos sentar e dar a fruta da Camila antes de iniciar nosso passeio. Estava ventando muuiiito e bem frio, sorte que fomos prevenidos.

O que mais nos chamou a atenção ao chegarmos em Camps Bay foi a linda montanha dos Doze Apóstolos, que faz uma moldura perfeita para a praia. O mar tem uma cor bem bonita, mas está longe de ser o mais lindo que já vimos. Entretanto a combinação praia e montanha da paisagem como um todo é linda demais! Ficamos uns bons momentos ali no parquinho contemplando a calma do local e as belezas de cada cantinho que olhávamos.

Confesso para vocês que o frio e o vento estavam desanimadores, mas mesmo assim resolvemos encarar a caminhada pela praia. Havíamos lido que era lugar cheio de agito, restaurantes, barzinhos e gente bonita, porém acho que essa deva ser a realidade do final da tarde ou noite. Encontramos uma região vazia, com vários pedintes e não vimos tanto glamour. Seguimos caminhando pelo calçada até o final para ver se havia algo mais para vermos.

Já que não encontramos tanta coisa interessante, decidimos ir até a areia e sentir a temperatura da água do mar, que imaginávamos que estaria congelante. Foi super divertido tentarmos “fugir” das tempestades de areia que se formavam com o vento forte e mais divertido ainda tentarmos tirar alguma foto em que não ficássemos totalmente descabelados. Camila ficou feliz da vida ao encontrar conchinhas na areia e assim a folia ficou completa!

Foi bem legal termos nos aventurado na areia, porém chegou uma hora em que o frio estava insuportável e decidimos voltar para perto de onde havíamos parado o carro, agora observando a paisagem de outro ângulo.

Uma vez mais paramos no parquinho, dessa vez para dar o almoço para a baixinha. É claro que ela pediu pra brincar mais um pouco e assim eu aproveitei para tirar as últimas fotos de Camps Bay Beach.

Gostamos muito da paisagem de Camps Bay, e apesar de termos ido com expectativa errada do local achamos incrível a beleza da montanha dos Doze Apóstolos. Para quem vai visitar, é importante saber que a praia é um dos pontos de parada do ônibus de City Tour e assim há muitos ambulantes abordando as pessoas para vender artesanatos e outras coisas, mas bem menos do que vemos nas praias do nordeste.  Como já escrevi, também há muitos pedintes por lá, porém não nos sentimos inseguros e mantivemos o nível de alerta que temos no Brasil.

A combinação praia e montanha faz valer a visita, e estando em Cape Town com certeza você passará pela linda e famosa Camps Bay!

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town

Primeiras impressões de Cape Town

Mal tinha dormido na noite anterior devido à todo o estresse do perrengue em nosso embarque e no avião também não descansei nem um pouco, sendo assim era inevitável aquele mega cansaço ao chegar em nosso apartamento. Porém a ansiedade de começar a conhecer o destino, aliada à vontade de iniciar logo a adaptação ao fuso horário nos convenceu bem rápido a irmos para um dos principais cartões-postais da Cidade do Cabo: o V&A Waterfront. Lá seria o lugar perfeito para termos as primeiras impressões da cidade e também para irmos ao supermercado e abastecer nossa geladeira.

Já no caminho do aeroporto para o centro nos impressionamos com as lindas e largas avenidas, excelente sinalização e uma vibe muito legal. No caminho para nossa primeira parada a sensação foi a mesma! Cape Town é assim, logo de cara você já se surpreende.

Paramos nosso carro em um dos vários estacionamentos disponíveis (e baratos) na região, entramos pelo enorme shopping e logo estávamos no agito de Waterfront com a lindíssima Table Mountain ao fundo.

Que lugar legal! Foi isso que começamos a dizer assim que pisamos por ali! Tivemos que nos segurar para almoçar antes de nos empolgarmos na “bateção de pernas” Escolhemos o Mc Donalds e achamos muito lindo toda a equipe estar vestida com trajes típicos africanos. Além disso tivemos um atendimento muito especial, que nunca antes havíamos recebido em uma lanchonete dessa rede. Abastecidos, seguimos felizes da vida para explorar o local.

A primeira coisa que vimos foi um trenzinho da loja de brinquedos Hamleys e já que não era tão caro resolvemos encarar a atração para a enorme felicidade da Camila.

Foi bacana termos feito o passeio que dura 15 minutos para irmos conhecendo o Waterfront. No trajeto íamos observando onde gostaríamos de voltar logo que saíssemos do trenzinho e isso que fizemos. Sem dúvida nenhuma, o local que mais nos chamou a atenção foi a moldura amarela com a Table Mountain ao fundo. Para nossa sorte não tinha fila e pudemos tirar fotos tranquilamente.

Sempre sonhei em ver essa paisagem e estar ali cara a cara com a linda montanha foi incrível! Passamos algum tempo só observando o vai e vem de pessoas encantados com todo o cenário.

Apesar do sol e céu azul, estava ventando muito e bem friozinho, e assim decidimos apenas dar mais uma volta e logo voltar para o apartamento pois o cansaço estava começando a pegar. Cada canto do Waterfront é lindo, e só estando lá pra sentir a energia superpositiva do local.

E além de ser lindo, o V&A Waterfront também conta com várias atrações para crianças e há até um mapa apontando a localização de todas elas. Camila ficou doida quando avistou o parquinho e negociamos que a deixaríamos brincar um pouco quando estivéssemos indo embora e é claro que cumprimos a promessa.

Foi muito bom termos escolhido começar a conhecer Cape Town pelo Waterfront e essas poucas horas que passamos por lá nos fez esquecer completamente todo o perrengue da viagem de ida. Sempre gostamos de chegar e logo ir passear para já começarmos a adaptação com o fuso-horário e nas viagens com a Camila isso faz toda a diferença.

Além do local em si, pudemos também começar a perceber a história viva do país, perceber os resquícios do apartheid e refletir sobre tudo que esse povo viveu (e ainda vive) em sua história. E mesmo com tudo isso, já notamos a alegria contagiante das pessoas.

Após o tempo de parquinho, passamos num supermercado do shopping para comprarmos os itens básicos para nossa estadia e logo voltamos para nosso apartamento já apaixonados pela cidade, pelo país e pelo povo sul-africano. As primeiras impressões de Cape Town foram sensacionais!

Deixe um comentário

Arquivado em África, África do Sul, Cape Town